A chegada dos dentinhos

IMG-20170820-WA0006

Por Ana Carolina de Resende

Oi pessoal hoje ao ver o sorriso da nossa Beatriz me lembrei de dialogar com vocês acerca dos dentinhos.

Bem. Aprendi na literatura a respeito que a arca de leite se desenvolve até os 03 anos, e que os primeiros despontam do sexto ao nono mês, o que como tudo em um bebê não é regra. Por exemplo, no caso da Bia, no quinto mês nasceram dois dentinhos na parte inferior e agora antes de chegar ao nono mês já apontou um na área superior.

Há casos inclusive de bebês que nascem com dentes, os chamados dentes natais. E outros iniciam esse processo ainda no primeiro mês são chamados de dentes neonatais.

Na idade de 03 anos é possível que a criança já tenha 20 dentinhos, sendo dez superiores e os outros dez inferiores.

Como a Beatriz não teve febre percebemos que os dentinhos estavam a caminho em razão da vontade que ela teve de coçar a gengiva levando objetos à boca, além do excesso de salivação. Outros sinais são gengiva avermelhada, inchaço, falta de apetite seguidos de choro e irritabilidade.

Quanto à escovação começamos assim que saiu o primeiro dentinho. Antes quando não havia dentinhos nós higienizávamos com gaze e água (envolvendo a gaze a ponta do seu dedo mindinho os pais conseguem fazer a higienização).

Gaze ou dedeira embebida em soro fisiológico deve integrar a rotina do pimpolho desde sempre. Mesmo que seu bebê só mame no peito, higienize a boquinha dele após cada mamada, inclusive à noite, quando a produção de saliva cai, diminuindo a proteção natural contra germes. Esse hábito ajuda a prevenir a chamada cárie de mamadeira.

Resolvi levar Beatriz a uma prima que é mãe e odontopediatra Dra Denise Mendes. Ela informou que hoje pela Associação Brasileira de Odontopediatria, se preconiza o uso de creme dental com 1100 pm de flúor, sendo importante observar a quantidade, ou seja, pouquíssimo (o tamanho de um grão de arroz).

Usar o creme dental 1 vez ao dia com flúor antes de dormir e após as refeições com creme dental sem flúor.

Em razão de não saber cuspir o bebê pode engolir essa espuma com flúor. O mineral já está presente na água e em alguns alimentos, porém, o excesso pode desenvolver acúmulo no organismo pode provocando a fluorose, que causa defeitos no esmalte dental, como manchas. O uso do fio dental é usado assim que a maioria dos dentes forem nascendo, e os enxaguantes bucais só entram em cena após os 6 anos.

Mesmo que a criança tenha apenas um dentinho é importante a higienização.

Eu acredito ser a escovação um hábito que passa de pais para filhos, portanto, papai, mamãe e família vamos dar bons exemplos.

Tudo faz parte do desenvolvimento do seu bebê devendo ser bem acompanhado pelos pais o que torna a rotina e novidades mais tranquilas para ambos.

Pais

Por Ana Carolina de Resende

Há vários fatos e pessoas que eu sou grata, graças a Deus sempre tive essa noção da importância do ser grato. Aprendi que a gratidão eleva o espírito e realmente nos traz a paz.

Um dos meus maiores reconhecimentos do bem que a vida me trouxe foi o meu pai. Desde pequenina carrego um amor incomensurável por ele e atribuo esse amor a forma que ele nos criou, eu e a minha irmã, com muita dedicação e amor. Sempre que posso eu declaro ter um pai maravilhoso e eu realmente tenho, mas o melhor de tudo é poder dizer que assim como eu a minha filha Beatriz também tem um pai maravilhoso.

Recordo de algumas vezes, antes mesmo da maternidade, indagar: será que o meu filho terá um pai que queira amar e estar presente assim como o meu quis? Talvez por ver na mídia, na família e em minha volta tantos pais que abandonam seus filhos ou simplesmente não exercem o papel de pai.

Bom seria se todos eles entendessem a importância que os pais tem na formação e criação de seus filhos. Não culpo a geração que não quer ter filhos, em razão da decisão de TER englobar diversas coisas. Adentra a questão do ser, você terá que SER e ESTAR e está aí a dificuldade para quem falta à vontade.

Confesso que ao me casar não busquei um homem com o perfil de um futuro pai para os filhos que viéssemos ter, porém, ele veio assim sem eu perceber, melhor do que eu poderia talvez projetar. Eu não sabia que ali dentro do meu esposo estava o seu lado pai esperando por seu filho, por seu nascimento, e ao nascer ele iria se apresentar. Estava tudo ali e pela ausência do filho talvez nós não enxergássemos, mas a nossa filha veio e junto a ela veio o pai. A cada nascimento de um filho ele pai também nasce. E o que vem depois cabe a cada um sua dedicação.

Nós temos pais, por conseqüência Beatriz tem o dela e agradeço a Deus o seu amor e afeição. Não estou aqui para agradecer noites mal dormidas ou fraldas trocadas, pois sinceramente creio serem tarefas partilhadas e deveres de ambos os pais (retiremos a expressão obrigação de mãe), mas agradeço o AMOR, esse não é obrigação de ninguém.

Lindo é fazer por vontade é estar presente por querer estar. Não lido bem com imposições. Abraçar, cheirar e cuidar não por determinação torna belo um simples afago.

Estou contente com o perfil de pais amigos que estou tendo a oportunidade de conhecer que criam juntamente com as mães seus filhos. Sim eles criam!

Hoje é o Dia dos Pais um dia tão belo e se ele foi imposto pelo capitalismo vamos agradecer, pois se tornou uma boa oportunidade de união e troca de afetos. Aproveito para aqui parabenizar cada um dos pais que dedicam um tempo aos seus filhos com o intuito de disseminar ternura devolvendo ao mundo seres humanos capazes de dar e receber amor. Parabenizo a meu esposo por nos mostrar a sua face mais bela e suave sendo pai e parabenizo ao meu paizinho meu ser humano em forma de açúcar meu mais belo doce que até hoje só trouxe os melhores sabores para minha vida. Eu sempre amarei você. A todos Feliz Dia dos Pais.

Você sabia?

Por Ana Carolina de Resende

Em 1990, de um encontro organizado pela OMS e UNICEF resultou um documento adotado por organizações governamentais e não governamentais, assim como, por defensores da amamentação de vários países, entre eles o Brasil.

O documento chamado “Declaração de Innocenti” apresentou quatro objetivos operacionais:

  • Estabelecer um comitê nacional de coordenação da amamentação;
    •Implementar os “10 passos para o sucesso da amamentação” em todas as maternidades;
    •Implementar o Código Internacional de Comercialização dos Substitutos do Leite Materno e todas as resoluções relevantes da Assembléia Mundial de Saúde;
    •Adotar legislação que proteja a mulher que amamenta no trabalho.

Com o objetivo de seguir os compromissos assumidos pelos países com a assinatura do documento, foi fundada em 1991 a Aliança Mundial de Ação pró-Amamentação – WABA.

A Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) foi lançada pela WABA (Aliança Mundial para Ação em Amamentação), em 1992, com o objetivo de dar visibilidade a amamentação, incentivando todos os grupos do mundo a trabalhar o tema na prática e a colocá-lo na mídia para ampla divulgação.

A Semana Mundial é considerada como veículo para promoção da amamentação. Ocorre em 120 Países e, oficialmente, é celebrada de 1 a 7 de agosto. A WABA define, a cada ano, o tema a ser trabalhado na Semana, lançando materiais que são traduzidos em 14 idiomas. Entretanto, a data e o tema podem ser adaptados em cada País a fim de que seja obtido mais e melhores resultados do evento.

No Brasil, o Ministério da Saúde coordena a Semana Mundial de Aleitamento Materno desde 1999. Sendo responsável pela adaptação do tema para o nosso País e elaboração e distribuição de cartaz e folder. Tem o apoio de Organismos Internacionais, Secretarias de Saúde Estaduais e Municipais, Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, Hospitais Amigos da Criança, Sociedades de Classe e ONGs.

ESTE ano o tema da 25° SEMANA MUNDIAL DE AMAMENTAÇÃO – 2017 é sobre o trabalho conjunto par ao bem comum, ou seja, “Tod@s junt@s pela Amamentação!”

A minha história de amamentação com Beatriz tem sido muito gostosa, sempre tive a intenção e vontade de amamentá-la, porém por ser um desconhecido bate aquela incerteza se realmente iremos conseguir.

Li várias literaturas a respeito e confesso que o instinto falou muito mais alto e até hoje ao lembrar me surpreendo com o fato do natural.

Assim que nasceu conseguimos que a Bia pegasse o peito e seguimos até hoje, ela tendo 08 meses. Em razão da introdução de novos alimentos conseqüentemente foram reduzidas as horas de mamadas, porém ela ainda MAMA muito bem.

Com a ajuda do meu esposo conseguimos a amamentação exclusiva até os 06 meses. Notadamente é um universo amplo e envolve muitas questões, nem sempre a amamentação é prazerosa e em diversos casos a produção de leite não é imediata. É quando entra a ajuda de Bancos de Leites e demais pessoas dispostas, na busca do bem comum.

Sabemos que amamentar não é um mundo de sonhos para todas, da mesma forma que estamos cientes da possibilidade de ser, como digo que é para mim, porém, tenho vários exemplos como o da minha irmã que mesmo sofrendo com dores e alguns transtornos no começo não deixou de amamentar seus dois meninos. Assim como amigas que intercalando complemento não deixaram de ofertar o seio aos seus bebês.

Minhas dicas são que amamentem. Seja onde for. Com poltrona ou sem poltrona, em uma cama ou rede, sentada o em pé. Em casa ou fora. Desenvolva esse contato com o seu bebê esse elo. É um tempo de vocês estarem juntos doar-se um ao outro, tendo benefícios mútuos.

Saibam ainda, que o Tocantins é o sexto estado a garantir o direito de realizar alimentação do filho em público ao lado dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina, Mato Grosso e Rio de Janeiro. Então mamães agora é lei. Toda mãe tem o direito de amamentar o filho em lugar público e privado, ainda que estejam disponíveis locais exclusivos para a prática da amamentação.

Em Palmas – TO, para as mamães que quiserem participar da hora mamaço, será no dia 05 de agosto, as 14h00 no Shopping Capim Dourado.

20170803_110135

Nova Consciência

bob.jpg

Por Ana Carolina de Resende

Ao me descobrir mãe de menina eu fui logo pensando em um quartinho no tom azul no mesmo instante que me encantei com os florais e body cor de rosa. Foi quando reacenderam a chama de princesa e mais tarde a vontade de apresentar a Beatriz as artes marciais.

Daí eu descobri que poderia aplicar com a Bia o que eu fiz ao longo dos meus 33 anos, ou seja, meninas podem ser o que gostarem de ser. Refiro-me a meninas por ser o meu universo.  De princesa a cientista, policial. Mesmo sendo menina nunca deixei de ir aos estádios e tive que conter as lágrimas ao adentrar no Maracanã. Joguei basquete e tive muitos carrinhos.

Este ano me alegrei ao ver a mulher maravilha estrear na tela do cinema delicada sem deixar de ser forte, me encanto fazendo um jantar para meu esposo, da mesma forma que me encanta trabalhar fora e receber um convite para o cinema.

Hoje, vejo mulheres optando por cuidar dos filhos em casa e outras dividindo-se entre babás, berçários e seus bebês. Assim como vejo pais tão ativos na criação dos seus. Homens maravilhosamente sensíveis.

Alegro-me ao ver pessoas criando suas rotinas, moldando seus comportamentos sem seguir um padrão social. A verdade é que não precisamos usar ternos e parecer com os meninos para sermos boas juristas, assim como não precisamos ser extremamente musculosas para vivermos uma super heroína.

Podemos aqui falar de uma nova consciência. Para Durkheim, sociólogo, é preciso afastar e eliminar as pré noções, pois elas dificultam a busca pela verdade. Ao sermos educados na infância pode haver a alteração do ser social por causa da imposição de regras, que fazem o indivíduo acreditar ser de sua própria elaboração o que é, na verdade, uma incorporação coletiva.

Confesso que a falta de construção particular sempre me incomodou. Podemos citar tantas regras que foram mudadas ao longo dos anos, como o caso da cor azul não ser para meninas. Inclusive em nossa página do facebook tenho um artigo sobre o tema.

Quero crer que a cada dia a nossa capacidade de construir ganhe força para que não só a Beatriz, mas as de mais crianças possam ser livres na forma de pensar mantendo em controle a incrível sensação de paz e bem estar que deriva do sentir aceito pelo grupo.

Para conviver devemos levar em consideração o outro, com todas as suas peculiaridades, devendo acima de tudo respeitar as nossas características e anseios. A vida coletiva é um anseio básico para todos nós, o homem é um ser gregário por excelência, porém, fiquemos atentos!